O cuidado às crianças e a cultura indígena foram destaque no Ação Brasil (21/4)



logo

O Ação Brasil recebeu no período da tarde, Guilherme Schelb, procurador regional da República no Distrito Federal. Ele falou sobre a importância de cuidar e proteger as crianças. De acordo com Schelb a igreja primitiva se notabilizou pelo cuidado de órfãos e viúvas e que hoje o Corpo de Cristo precisa retornar a esses referenciais. A empreitada requer atitudes de todos para preservar a infância em tempos de influências negativas nas escolas e na mídia, por exemplo. Ele destacou que este assunto não é religioso e que a argumentação do cristão precisa ser jurídica-legal. O Código Civil, o Estatuto da Criança e do Adolescente e o Código Penal possuem artigos que funcionam como munição para esta batalha pela dignidade das crianças. “Armas e munição para a cidadania. Essas leis não são do mundo gospel, elas são da cidadania. Quando a igreja começa a defender causas universais elas saem do cantinho gospel e passam a ser universais em suas causas e ganha relevância”. Houve um momento de intercessão com a participação de crianças presentes, representando todas as crianças.

Na adoração, a banda Discopraise ministrou suas canções e o líder do grupo, Clayton Olee, ao falar sobre impossíveis, encorajou à todos a acreditarem na transformação do Brasil!

O altar ficou mais alegre e colorido, com cocares, colares e chocalhos. Isso porque representantes de etnias indígenas estiveram no Estádio Nacional. Eles se apresentaram com danças e cânticos típicos. Um dos caciques orou em sua própria língua indígena e depois em português, abençoando o povo brasileiro.

Nesse período, o apóstolo Hudson Medeiros ressaltou a importância de reconhecer a história dos povos nativos e de dar a eles a honra devida. Ele também pediu perdão, em nome do país inteiro, por toda a violência física e cultural praticada contra os índios ao longo dos anos, negando a história e a relevância indígenas na construção da identidade brasileira.

A pastora Ana Paula Valadão Bessa destacou ainda que TODOS os povos são importantes na constituição do sangue brasileiro, que tem uma mistura de raças tão contundente. Houve um momento de muita celebração e comunhão, entre os índios e a coordenação do evento. As pastoras Ezenete Rodrigues e Ana Paula Valadão dançaram e cantaram, junto com eles. Elas também ministraram sobre a vida deles, sendo perceptível e testemunhado por todos os presentes o derramar do Espírito Santo sobre os índios que estavam no altar.

Outro acontecimento marcante foi a presença de representantes indígenas com o encontro de índios brasileiros com os Maori da Nova Zelândia. Eles também abençoaram os índios brasileiros, afirmando que oram pela conversão de todos, incluindo as etnias ainda não descobertas, enfatizando a importância da honra e do reconhecimento aos povos nativos de uma terra, para a redenção dela.

No momento de proclamação da Bíblia os textos de Isaías 54.1-8, Isaías 57.14-15, Jeremias 15.18-21, Jeremias 17.7-10, Jeremias 23.16-31, Jeremias 29.11-14. Na adoração também ministraram os ministérios Família 61 e Voz do Trovão.



Reveja o Ação Brasil em nosso canal no YouTube.

Elis Amâncio | Marta Ribeiro | Mirian Lucena | Raquel Reis | Sara Dias
Cobertura on-line/mídia Ação Brasil

Envolva-se!

Seja um doador, um intercessor, um multiplicador, e ajude a expansão do projeto de Deus para essa Nação.

logo

Dados da Conta

Banco Bradesco
Agência.: 1850-3
Conta Corrente.: 11078-7

CNPJ.: 13.245.175/0001/00
Ministério Restaurando Vidas